Cookies e Política de Privacidade
A SIGNIS Agência de Notícias utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Mês das Missões: que o distanciamento social não impeça a 'missão da compaixão'

Em mensagem para o Dia Mundial das Missões, Papa Francisco encoraja fiéis a superar indiferença que impede ação missionária

Há 27 dias - por Cléo Nascimento
Mês das Missões: que o distanciamento social não impeça a \'missão da compaixão\'
'Ninguém se salva sozinho'. A expressão dita pelo Papa Francisco em outras vezes, também participa de sua mensagem para o Dia Mundial das Missões. É como um alerta para estes tempos. Diante de uma pandemia que mudou as estruturas do mundo, Francisco quer chamar a atenção dos fiéis e da sociedade de que é preciso uma boa dose de compaixão e solidariedade para atravessar este desafio.
 
E, se os tempos são árduos até mesmo para a atividade missionária, o Papa buscou na experiência dos primeiros cristãos, nos Atos dos Apóstolos, motivações para que os cristãos de hoje não desanimem ou se fechem, mesmo diante das adversidades próprias dos nossos dias.
 
"Histórias de marginalização e prisão entrelaçavam-se com resistências internas e externas, que pareciam contradizer e até negar o que tinham visto e ouvido; mas isso, em vez de ser uma dificuldade ou um obstáculo que poderia levá-los a retrair-se ou fechar-se em si mesmos, impeliu-os a transformar cada incómodo, contrariedade e dificuldade em oportunidade para a missão", escreve o Papa.
 
A partir desse momento, Francisco recorre ao elemento comum em seus discursos, homilias e mensagens, a constatação da realidade: "A situação da pandemia evidenciou e aumentou o sofrimento, a solidão, a pobreza e as injustiças de que já tantos padeciam, e desmascarou as nossas falsas seguranças e as fragmentações e polarizações que nos dilaceram silenciosamente".
 
E é da dureza dos tempos atuais que o pontífice tira verdadeiras lições e orienta que comunidades e famílias não se deixem abater por "qualquer determinismo". É a esperança do Cristo Ressuscitado que "dá a liberdade e a audácia necessárias para se levantar e procurar, criativamente, todas as formas possíveis de viver a compaixão".
 
As palavras de Francisco também inquietam quem se acomodou e se apropriou das novas regras de convivência, da recomendação de distanciamento social - necessário e sadio - para "justificar a indiferença e apatia" diante da urgência da "missão da compaixão". Tal como alerta na Fratelli Tutti, é preciso recuperar o desejo por uma "comunidade de pertença e solidariedade" para não se deixar cair no argumento do "salve-se quem puder".
 
A reflexão prossegue destacando o tema do "Dia Mundial das Missões" - "não podemos deixar de afirmar o que vimos e ouvimos" (At 4,20). O tom é pastoral e um convite para que cristãos e cristãs, comunidades, grupos, movimentos não se dobrem a tentação de se isolarem, pois a Igreja existe para Evangelizar.
 
Novamente, o exemplo vem dos primeiros discípulos: "Atraídos pelo Senhor e a vida nova que oferecia, os primeiros cristãos, em vez de cederem à tentação de se fechar numa elite, foram ao encontro dos povos para testemunhar o que viram e ouviram: o Reino de Deus está próximo. Fizeram-no com a generosidade, gratidão e nobreza próprias das pessoas que semeiam, sabendo que outros comerão o fruto da sua dedicação e sacrifício".
 
E se alguma dúvida restou sobre o valor e beleza da vocação missionária, o Papa Francisco a distancia de um romantismo ultrapassado e recomenda vivê-la "como uma verdadeira história de amor", encorajando a "sair para as periferias do mundo e tornar-se mensageiros e instrumentos de compaixão". Muitas das vezes, essas periferias estão mais pertos de nós do que podemos imaginar.

Comentários

  • Esta notícia ainda não tem comentários. Seja o primeiro!