Cookies e Política de Privacidade
A SIGNIS Agência de Notícias utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Papa alerta sobre exploração do trabalho infantil: 'É roubar das crianças o seu futuro'

Relatório da OIT e UNICEF aponta que, pelo menos, 160 milhões de crianças vivem nesta condição e o número deve aumentar em 2022 devido à pandemia.

Há 18 dias - por Cléo Nascimento
Papa alerta sobre exploração do trabalho infantil: \'É roubar das crianças o seu futuro\'
O Papa Francisco advertiu, nesta sexta-feira (19), sobre a incidência da exploração do trabalho de crianças para geração de lucro na economia global. Ao participar da Conferência Internacional "Erradicar o trabalho infantil, construir um futuro melhor", o pontífice apontou a miséria e o desemprego como fatores agravantes do problema.
 
"Se quisermos erradicar a chaga do trabalho infantil, temos que trabalhar juntos para erradicar a pobreza, para corrigir as distorções do sistema econômico atual, que centraliza a riqueza nas mãos de uns poucos". O papa descreveu como "chocante e perturbador" que, nos modelos econômicos atuais e diante do advento de inovações da tecnologia, a prática persista em todo mundo.
 
Francisco denunciou o trabalho infantil como uma "violação da dignidade humana" e que põe em risco a saúde e o bem-estar físico e mental das crianças, privando-as do "direito à educação e de viver sua infância com alegria e serenidade"
 
O último relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) mostrou que, pelo menos, 160 milhões de crianças em todo mundo vivem em situação de trabalho infantil e outras 8,9 milhões correm o risco de entrar nessa condição em 2022, em razão das consequências da pandemia.
 
No início do mês, o Papa Francisco fez um alerta aos participantes do Encontro Global sobre a Eliminação do Trabalho Infantil na Agricultura, evento promovido pelo Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Por meio de uma mensagem, ele falou da necessidade de "multiplicar as pessoas e as associações que se esforçam a fim de que o desejo de lucro excessivo, que condena as crianças e os jovens ao jugo brutal da exploração do trabalho, dê lugar à lógica do cuidado".
 
No discurso de hoje, Francisco voltou à questão repreendendo: “É a exploração das crianças nos processos de produção da economia globalizada para o lucro e ganho de outros. É a negação do direito das crianças à saúde, à educação e ao crescimento harmonioso, incluindo a possibilidade de brincar e sonhar. É roubar das crianças o seu futuro e, portanto, da própria humanidade".

Comentários

  • Esta notícia ainda não tem comentários. Seja o primeiro!