Cookies e Política de Privacidade
A SIGNIS Agência de Notícias utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Sobre o 2o. dia da 59a Assembleia Geral da CNBB

Comissão Bíblico-Catequética propõe avaliação da recepção na Igreja no Brasil do estudo n. 114 aprovado pela 58a Assembleia Geral do episcopado brasileiro.

Há 22 dias - por Assessoria de Comunicação da CNBB (com colaboração de Victória Holzbach, assessoria de Comunicação do Sul 3)
Sobre o 2o. dia da 59a Assembleia Geral da CNBB
(foto por Assessoria de Comunicação da CNBB)

Na segunda sessão da 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na tarde da segunda-feira, (25), o arcebispo de Curitiba (PR) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética, dom José Antônio Peruzzo, apresentou a publicação Estudo nº 114 da CNBB cujo título é: “E a Palavra habitou entre nós” (Jo 1,14): Animação Bíblica da Pastoral a partir das comunidades eclesiais missionárias”, aprovado pela 58ª AG da CNBB.

Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB, dom José Antônio Peruzzo (Foto: Assessoria de Comunicação da CNBB)

O arcebispo de Curitiba ressaltou que muitos dos desafios apontados para a ação da Igreja no Brasil seriam superados caso fosse priorizado, com mais força, a organização das comunidades eclesiais missionárias tendo como centro a vivência bíblica.

O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética apresentou todos os capítulos do subsídio: Capítulo 1 – A Palavra fala da Palavra; Capítulo 2 – É tempo de semear; Capítulo 3 – A Palavra de Deus e os desafios à semeadura; Capítulo 4 – Semeadores à semelhança do Bom Semeador; Capítulo 5 – A Palavra de Deus em diversos tipos de terreno; Capítulo 6 – A Palavra de Deus: acolhida e semeadura; Capítulo 7 – A Animação Bíblica da Pastoral e sua implantação.

Recepção do Estudo nº 114 na Igreja no Brasil

O Estudo de número 114 da CNBB é o resultado do esforço de uma comissão de bispos e assessores, cujo trabalho se inseriu em uma ampla escuta de catequistas, biblistas, pastoralistas e comissões pastorais em âmbito nacional, no anseio de estimular a Animação Bíblica da Pastoral e incentivar todas as forças evangelizadoras para que a Palavra de Deus esteja ainda mais na vida das pessoas, nutrindo-as e fortalecendo-as no anúncio do Reino.

As indicações apresentadas querem ser o ponto de partida para um rico processo de atuação da Igreja no Brasil, processo que certamente ultrapassará o período de vigência das atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE), recordando que o amor à Palavra de Deus e o compromisso missionário nunca se extinguem.

Ao final da apresentação, o presidente da Comissão Bíblico-Catequética da CNBB encaminhou ao episcopado a metodologia de avaliação do processo desencadeado, na Igreja no Brasil, a partir do Estudo nº 114, com foco em como as Igrejas particulares estão fazendo a recepção do documento. Os bispos foram convidados a responder as perguntas: Há experiências significativas? Quais são os temas que ainda precisam ser acrescentados ou acentuados na redação final do Estudo 114 para a aprovação como Documento? As avaliações do episcopado brasileiro serão sistematizadas pela Comissão Bíblico-Catequética.

Saiba mais:
Estudo da CNBB pretende contribuir para a Animação Bíblica e Pastoral da Igreja no Brasil – CNBB

 

Metodologia da Pesquisa sobre a saúde dos bispos e padres do Brasil 

“Um cuidando do outro e todos cuidando de todos”. A frase carrega a síntese do tema apresentado pelo bispo de Novo Hamburgo (RS) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom João Francisco Salm, na segunda Coletiva de Imprensa da 59ª Assembleia Geral, na tarde desta terça-feira, 26 de abril.

O bispo apresentou o processo de elaboração da pesquisa sobre a saúde dos bispos e padres no Brasil. O prelado iniciou sua exposição explicando o contexto que levou a Comissão ao desenvolvimento da iniciativa: “Vivemos tempos muito exigentes. Todos nós, homens e mulheres de todas as idades, também o padre e o bispo. Somos de carne e osso e sentimos o que todo mundo sente: dores, cansaços, dúvidas e medos”, apontou.

Dom João Francisco destacou que atualmente constata-se que há muitos padres e bispos que se sentem cansados ou desanimados e, diante desta realidade dolorosa, há um apelo à CNBB e à Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada para uma ação de cuidado do episcopado e do presbitério.

“Mas o que fazer? Como prestar um serviço útil e fraterno neste sentido?”, questionou. “Na troca de ideias e olhando para experiências já existentes, percebemos então a necessidade de colher dados dos padres e bispos para que depois fossem analisados por especialistas a fim de ajudá-los”, relatou dom João.

 

Dom Francisco Salman, sobre a saúde de bispos e padres: “É preciso conhecer bem a realidade e ter um bom diagnóstico para saber qual remédio utilizar" (Foto: Assessoria de Comunicaçao da CNBB)

 

Levantamento dos dados

Para dinamizar a pesquisa, foram elaborados dois questionários, um voltado aos bispos e outro direcionado aos padres. A ideia da Comissão é que o link aos bispos seja liberado na tarde desta terça-feira, via e-mail pessoal do episcopado do brasileiro. Já aos padres, o questionário será aplicado no Encontro Nacional de Presbíteros (de 9 a 14 de maio em Aparecida) e depois enviado às Pastorais Presbiterais de cada diocese.

“É preciso conhecer bem a realidade e ter um bom diagnóstico para saber qual remédio utilizar”, acrescentou dom Salm. Para isso, o bispo explicou, cada um dos dois questionários possui uma abordagem específica ao seu público e apresenta questões relacionadas a saúde integral da pessoa, contemplando o físico, o espiritual e o psíquico. “As perguntas procuram fazer um check up, para que se possa fazer um diagnóstico amplo e acertado”, pontuou.

Proteção das informações e próximos passos

Uma das principais preocupações da equipe que elaborou os questionários e que trabalhará na sistematização dos dados obtidos é a proteção e privacidade dessas informações. Sobre isso, dom João Salm reforçou que a pesquisa tem como única intenção o estudo e mapeamento da realidade da saúde episcopal e presbiteral. “Não serão publicados ou divulgados”, assegurou.

A previsão é que o questionário direcionado ao episcopado permaneça aberto para receber respostas durante esta semana. Depois, será fechado para o início do processo de sistematização e análise dos dados, com uma equipe especializada que deve apontar pistas de ação a partir da realidade apresentada. A expectativa da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada é poder retornar com estes indicativos na etapa presencial da Assembleia Geral, no fim de agosto.

Já em relação aos presbíteros, após a aplicação no Encontro Nacional, o questionário deve ainda ser direcionado a cada Igreja Local, de modo que a sistematização e análise de dados deve se estender por mais tempo, a fim de priorizar a participação efetiva dos presbíteros e um tempo hábil para análise e construção de indicativos de ação.

Comentários

  • Esta notícia ainda não tem comentários. Seja o primeiro!