Cookies e Política de Privacidade
A SIGNIS Agência de Notícias utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Santa Edith Stein é representada em peça teatral nos 80 anos de seu martírio

Monólogo "Edith Stein: a Estrela e a Cruz" estreia em S. Paulo e é baseado nos escritos da religiosa alemã, morta em Auschwitz pelo nazismo

Há 1 mes - por Kolbe Arte
Encenação se concentra nos instantes que antecederam saída de Edith Stein do Carmelo e prisão pelos nazistas
Encenação se concentra nos instantes que antecederam saída de Edith Stein do Carmelo e prisão pelos nazistas (foto por Kolbe Arte)

Edith Stein foi uma mulher à frente do seu tempo. Intelectual, de postura irrepreensível, abraçou a fé sem deixar o ofício de iluminar mentes e corações por meio do conhecimento histórico e filosófico. Admirada por fiéis e acadêmicos, a santa carmelita, morta no campo de concentração de Auschwitz, em 9 de agosto de 1942, terá sua vida contada nos palcos, no monólogo "Edith Stein: a Estrela e a Cruz".

A peça que estreia dia 30 de julho, em São Paulo, foi escrita e dirigida pelo dramaturgo Helder Mariani, baseada nos muitos escritos da filósofa judia, convertida ao catolicismo. A encenação se concentra nos instantes que antecederam sua saída do Mosteiro Carmelita de Echt, na Holanda, e consequentemente, sua prisão por oficiais nazistas. 

"A palavra de Edith Stein tem a força de uma atualidade e de uma emergência para todas as questões do nosso tempo e principalmente para não esquecermos que sim, aconteceu um holocausto do povo judeu, onde ela viveu o seu martírio também, junto com o seu povo. Não podemos esquecer disso", destaca o diretor, também doutor em Filosofia.

Interpretada na peça pela atriz Daniela Schtini, Stein foi uma das primeiras mulheres a ocupar a cadeira na academia almeã. Como filósofa, acompanhou Edmund Husserl num dos principais movimentos filosóficos da primeira metada do século 20, a fenomenologia. 

Sob seu nome de consagração religiosa, Teresa Benedita da Cruz, foi canonizada em 1998, pela Papa João Paulo II, que também a declarou co-padroeira da Europa. Seu exemplo repercute em nossos dias e merece ser reconhecido e propagado.

Ficha técnica

Direção: Hélder Mariani

 Intérprete: Daniela Schitini

 

Serviço:

Quando: sábado, 30 de julho e 6 de agosto, às 20 h

Onde: Auditório São Paulo (360 lugares) - Rua Dona Inácia Uchôa, 62, Via Mariana (próximo Metrô Vila Mariana)

Ingressos disponíveis em: sympla.com.br 

Quanto: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)

 

Comentários

  • Esta notícia ainda não tem comentários. Seja o primeiro!

Mais lidas