Cookies e Política de Privacidade
A SIGNIS Agência de Notícias utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Pastoral Carcerária divulgará relatório sobre tortura no Brasil na próxima terça-feira (17)

Relatório Vozes e Dados da Tortura traz dados de janeiro de 2021 a julho de 2022 e registra aumento de 37,65% no número de casos.

Há 24 dias - por Redação
Pastoral Carcerária divulgará relatório sobre tortura no Brasil na próxima terça-feira (17)
A Pastoral Carcerária Nacional lançará na próxima terça-feira (17/1), às 19:30, o relatório Vozes e Dados da Tortura em Tempos de Encarceramento em Massa 2022. A apresentação será realizada em uma live, transmitida pelo canal do Youtube e pela página do Facebook da própria pastoral.
 
Farão parte do debate Mayra Balan, assessora jurídica da PCr; Carol Dutra, integrante do setor jurídico da PCr; Ana Claudia Pereira e Silva, agente da PCr do MT e Elaine Bispo Paixão, da Frente Estadual pelo Desencarceramento da Bahia. A moderação será feita pela coordenadora nacional da Pastoral Carcerária, Irmã Petra Pfaller, .
 
O documento abrange o período de 1º de janeiro de 2021 a 31 de julho de 2022, e traz um total de 369 denúncias e 223 casos de tortura, um aumento de 37,65%, em relação ao período anterior (1º de janeiro de 2019 a 31 de julho de 2020), que registrou 162 ocorrências.
 
Fatores como a pandemia da Covid-19 e o crescimento da violência contra as pessoas presas nos últimos anos são alguns dos motivos analisados para a existência do maior número de casos.
 
Quanto ao conteúdo dos 223 casos, cada um engloba uma série de diferentes tipos de violações e torturas, como negligência na prestação de assistência material, agressão física, negligência na prestação de assistência à saúde, tratamento humilhante, negação do direito de visita, agressões verbais, uso de arma de fogo e arma menos letal, castigos coletivos, o uso de tropas de intervenção, a prática da revista vexatória, discriminação de cor, etnia, identidade de gênero ou orientação sexual e violência sexual praticada por policiais penais ou outros atores do corpo funcional da unidade.
 
Com Pastoral Carcerária

Comentários

  • Esta notícia ainda não tem comentários. Seja o primeiro!

Mais lidas