Cookies e Política de Privacidade
A SIGNIS Agência de Notícias utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os patriOtários sem senso de realidade não arredam o pé

Há 22 dias
O fanatismo deixa as pessoas cegas e o fanatismo religioso mais ainda, não deixa ver nem os sinais que Deus manda
O fanatismo deixa as pessoas cegas e o fanatismo religioso mais ainda, não deixa ver nem os sinais que Deus manda (foto por Agência Brasil)

Em 15 de novembro de 2022 o mundo atingiu a marca de 8 bilhões de pessoas com uma diversidade jamais vista[1], isso apenas 11 anos depois de ultrapassar a marca de sete bilhões e o pico da população mundial está projetado para 2080, se não houver grandes catástrofes. Por isso, as próximas décadas serão desafiadoras no campo da agroecologia e nos mecanismos de cuidados da Casa Comum. Acabar com a fome é urgente, porque os famintos têm pressa, inclui-los no orçamento pode ser contra o deus Mercado que quer o acúmulo, mas não é contra o Evangelho de Jesus Cristo.

Outra urgência que está na pauta do nosso dia a dia é a defesa do meio ambiente com uma “economia verde”, ou uma agroecologia integral, pois o aquecimento global atinge desigualmente os desiguais socialmente, uma luta que Lula exemplarmente aciona no discurso de vitória no dia 30/10 e na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, realizada de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito. A delegação do Brasil, nesse momento, foi aplaudida pelo mundo todo pois estavam esperando passar a catástrofe que foram os últimos 4 anos em termos de devastação do Pantanal, da Amazônia e do Cerrado. Os territórios indígenas foram os mais cobiçados pois o governo legalizava as invasões e o autocadastramento rural se tornou uma grande farsa de legalidade para as terras públicas griladas.

Aqui no Mato Grosso, os cuidados com os rios formadores de bacias hidrográficas se tornam mais urgentes, porque a “coroa do mundo” está aqui como afirmam os Chiquitanos e são os rios que irrigam de lágrimas o Pantanal. Os comitês populares organizaram com o apoio do deputado estadual Lúdio Cabral (PT) as comemorações do Dia do Rio Paraguai/Pantanal em 14 de novembro de 2022 sediada na cidade de Cáceres-MT com o tema “Rio Paraguai & Pantanal Vivo - Sem Hidrelétricas, Sem Hidrovia; Com Agroecologia, com Corredores Bioculturais”. Teve Romaria Fluvial com os animais totens dessa região protegendo as barcas e a Feira Agroecológica Biocultural Pantaneira para aprendermos que alimento saudável é prioridade na segurança alimentar.

Os movimentos sociais na bacia do Alto Paraguai e na Bacia do Prata dos outros países compreendem a importância do Pantanal por inteiro, o que inclui também os planaltos e serras ao redor onde nascem os rios que sustentam esse bioma único no mundo. Por isso, os comitês populares, pesquisadores, ambientalistas, entidades socioambientais e organizações que atuam no Pantanal, os Guató, Bóe, Quilombos e comunidades tradicionais ribeirinhas resistem bravamente na defesa do Pantanal.

Dada a urgência de cuidado do planeta Terra como responsabilidade de todos para termos um lugar mais saudável para viver, o conceito Casa Comum é operativo nos tempos atuais. Na COP 27, Lula se reúne com líderes políticos da Europa, dos EUA e da China e passa novamente a compor uma nova agenda ambiental para evitar o colapso de nossa Casa Comum, resposta ao chamado do Papa Francisco na Laudato Si.

Quem sabe um investimento pesado na Educação de base à qual tantos de nós nos dedicamos, reforce nossa democracia para que o fascismo não chegue mais ao poder nesse Brasil que tem pele morena ou de preto retinto, como São Benedito. Uma semana de consciência negra é pouco para vencer todas as formas de racismo. Escandaloso é ver na frente dos quartéis os novos ricos golpistas, pois não é o povo pobre que está lá clamando por intervenção militar. Está a olhos visto que, no Brasil sob o comando do inominável, a democracia foi sendo corroída com financiamento do agronegócio,[2] dos milicianos digitais e outros agregados ignorantes do passado que vivemos com a ditadura militar. Por isso estão acampados diante dos quartéis como fascistas que cometem crimes contra a Democracia, contra a República do Brasil e não conseguem ver como são manipulados por mentiras e medos sem sentido, sem noção de realidade.

O fanatismo deixa as pessoas cegas e o fanatismo religioso mais ainda, não deixa ver nem os sinais que Deus manda: no dia 10/11 Deus enviou uma ventania para derrubar os barracos dos adoradores do demônio em Brasília e no dia 15/11 o acampamento dos criminosos golpistas foi inundado. O dilúvio de vento e de água já aconteceu, falta ainda o dilúvio de fogo para extirpar fascistas que são contra a democracia no Brasil. O fogo dos céus virá como o sol da justiça e todos nós vamos nos preparar para sua chegada no Natal. Viva Cristo Rei do Universo na medida em que nos comprometemos com o cuidado da Casa Comum.

No dia 16 a "Carta da Amazônia – uma agenda comum para a transição climática" e o Fórum Internacional dos Povos Indígenas sobre Mudança Climática foram destaques. Urgente é colocar nossas energias para o serviço dos mais pobres e necessitados, dentro e fora da Igreja na qual participamos. O Pacto das Catacumbas (16/11/1965) continua atual diante do momento dramático que vivemos, pois seguir os passos de Jesus pobre e humilde continua sendo nosso Evangelho.

Não estamos nem com vontade de participar da Copa do Mundo de Futebol. Uma porque o Catar elitista não deixa o povo participar, a não ser como trabalho desumano, outra porque os símbolos do Brasil foram sequestrados e uma camisa amarela hoje representa mais a vergonha nacional que se encontra na frente dos quartéis pedindo golpe contra a democracia, do que nossa paixão por futebol. Ser patriOtário virou moda por aqui.[3] Parafraseando o presidente Lula, não existem dois Brasis e também não existem dois planetas terra para vivermos, por isso vamos cuidar do que Deus nos deu como Casa Comum com justiça social, assim esperamos esse mundo mais solidário e sustentável nesses 4 anos que virão.

 

[1] https://globoplay.globo.com/v/11126123/. Apesar da desaceleração no crescimento populacional por causa da Pandemia, desses 8 bilhões ainda temos que suportar a ferida de 900 milhões passando fome, dos quais agora de novo 38 milhões estão no Brasil.

[2] STF bloqueia contas de 43 empresas e pessoas de MT envolvidas em atos antidemocráticos (https://olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=510878&edicao=11)

[3] Autor de 'Tá na hora de Jair já ir embora' lança novo hit: "Patriotário" (vídeo) - Brasil 247

Sobre o autor

Aloir Pacini

Antropólogo, jesuíta e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em estágio pós-doutoral com pesquisa sobre o território transnacional dos Guaranis. Fez Mestrado no Museu Nacional (UFRJ) com estudos sobre as Missões com os Rikbaktsa e o Doutorado com os Chiquitanos (UFRGS). Em etnologia indígena, estuda os territórios tradicionais (águas) e suas vinculações com as identidades nas fronteiras dos Estados. Seu trabalho reflete o do cuidado da casa comum (proposta do Papa Francisco) e os papéis das instituições nas sociedades, também da Igreja no contexto de Mato Grosso e Brasil.
 

Mais lidas